Avançar para o conteúdo principal

Tantas lágrimas

Tanto mar, que as gotas da alma formam.
Tanto mar, que as fagulhas do coração encontram.
Tanto mar, que os olhos guardam, de lágrimas trancadas no peito.
Tanto mar, tanta água, de sal e de mel, amargo e doce, como a dores que parem amor.
Tanto amor, que a água carrega nas gotas que correm do mar dos olhos.
Tanto amor, pedaço do peito, fardo da alma, arrastado, penoso e ferido.
Tanto sal, de lágrimas engolidas, escondidas e destravadas em silêncio.
Tanto mar salgado, tanto amor cravado a ferro quente e chorado a água gelada.
Tantas penas de desencontro, lágrimas salgadas, corridas dos olhos e perdidas para o mar.

E o mar não se desafia. Chora-se e ajuda-se a aumentar as gotas das suas águas. Contempla-se. Aceita-se o reflexo que nos marca o peito. E agarra-se a esperança de que, em troca, ele nos devolva o que nos rouba. Que nos engula as lágrimas e que nos devolva o amor. Um amor tão imenso, tão profundo, tão transparente, tão revolto e tão sereno como ele próprio. Azul. Porque o amor também é azul.

Comentários