Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Abril, 2015

Tantas lágrimas

Tanto mar, que as gotas da alma formam. Tanto mar, que as fagulhas do coração encontram. Tanto mar, que os olhos guardam, de lágrimas trancadas no peito. Tanto mar, tanta água, de sal e de mel, amargo e doce, como a dores que parem amor. Tanto amor, que a água carrega nas gotas que correm do mar dos olhos. Tanto amor, pedaço do peito, fardo da alma, arrastado, penoso e ferido. Tanto sal, de lágrimas engolidas, escondidas e destravadas em silêncio. Tanto mar salgado, tanto amor cravado a ferro quente e chorado a água gelada. Tantas penas de desencontro, lágrimas salgadas, corridas dos olhos e perdidas para o mar.

E o mar não se desafia. Chora-se e ajuda-se a aumentar as gotas das suas águas. Contempla-se. Aceita-se o reflexo que nos marca o peito. E agarra-se a esperança de que, em troca, ele nos devolva o que nos rouba. Que nos engula as lágrimas e que nos devolva o amor. Um amor tão imenso, tão profundo, tão transparente, tão revolto e tão sereno como ele próprio. Azul. Porque o amor também é…

Mundos e mundos por dentro

Hoje partilharei o amor que tenho pela música. Diz que quem canta, reza duas vezes. Eu gosto muito de falar com o Céu a cantar. Mas mais do que isso, a música ajuda a viver cada estado de alma. De paz ou doutro estado qualquer. Costumo dizer que tenho uma música para cada episódio importante na minha vida. Tenho acordes, notas, harmonias e compassos a correrem-me pelas veias. Por vezes, ouvir música é a forma que tenho de encontrar o meu reflexo naquilo que estou a pensar ou a sentir. É a forma de pacificar a alma. De curar a tristeza ou de ampliar a alegria. De viver a solidão, a partilha, a tristeza, o medo ou o amor.
Parece que determinado poema nos lê a alma de forma inequívoca e que a melodia embala a reflexão, a meditação ou todo o processo de pacificação. Hoje é daqueles dias em que não quero estar nem um segundo sem música...momentos intensos de tristeza que também têm que ser vividos, sentidos, aceites e, principalmente, entregues ao Céu. Só o Céu nos pode ajudar a libertar as…

Intensamente

É a palavra que neste momento assola o meu pensamento e o meu coração. E apetece-me falar da vida. De viver a vida intensamente. E não estamos a falar de viver a vida à James Dean, com pressa, com fúria, com fuga para a frente.
Viver intensamente é agradecer cada dia, cada hora, cada minuto. Cada bocadinho de vida. É com calma, com contemplação. Bem sei que por vezes o nosso ritmo diário não se compadece com esta coisa do ser mais contemplativo. Mas tem que ser. Na nossa vida tem que haver tempo para tudo. Por vezes bastam uns breves minutinhos para apreciar a criação. Uma coisa pequenina que nos emocione. Que nos deixe feliz. Que nos aqueça o coração. Tanta natureza que nos permite olhar com os olhos da alma e sentir a intensidade da mão de Deus.
Viver intensamente é aproveitar cada momento bom que a vida nos proporciona. Sozinhos ou com outros. É aprender e reerguer com cada momento menos bom - a senti-lo - também intensamente. Tudo o que se vivencia intensamente, fica resolvido. O bo…

Amor maior

Gostaria de falar de liberdade. Gostaria de falar sobre o conceito, o valor da liberdade que temos em cada um de nós. Dos valores que mais aprecio. A liberdade, como todas as coisas verdadeiramente especiais, vem de dentro. Do coração. Do fundinho da nossa alma. Porque a alma é verdadeiramente livre. E cada um de nós nasce fantásticamente livre. Depois, ao crescer, se verá se se deixa ou não aprisionar. 
As prisões que criamos têm correntes, barras de ferro, arames farpados e mais um conjunto de grilhões que colocamos a nós próprios ou que deixamos que os outros e o mundo nos coloquem. Ser livre é difícil!
Ser livre é poder escolher. E poder escolher é uma das graças mais sagradas que Deus nos deu. O chamado livre arbítrio. Cada um de nós tem na sua mão a possibilidade, o poder, de escolher o caminho. De errar e voltar a tentar, sem sentir o peso da culpa ou do julgamento. Esta é uma liberdade suprema. Na verdade, a culpa, o pecado e o julgamento são conceitos criados por nós, homens e …

Gotinhas de felicidade

Hoje gostaria de escrever sobre felicidade. Um tema tão debatido. Parece que todos corremos atrás dela. Colocamos uma enorme quantidade de "se(s)" na nossa vida em perseguição da felicidade. "Se eu tivesse...então seria feliz", "se eu fosse...então seria feliz", "se acontecesse...então sentia-me feliz". Colocamos a felicidade de uma forma tão condicional na nossa vida. Sempre condicionada pelo que está fora de nós. Por aquilo que nos é externo. Por aquilo que depende de outros, da sorte, da própria vida. Dinheiro, poder, beleza, ser amado, um bom emprego, prestígio, reconhecimento, um carro, uma família perfeita e um conjunto de outras coisas que de momento não me consigo lembrar. Para cada um de nós, a felicidade é um mundo próprio. É um conceito lato, subjetivo e indefinível. E corremos atrás dela. Corremos, corremos, corremos. Às vezes nem sabemos porquê nem para onde. Mas continuamos a correr. Se os outros correm, porque não corremos nós tam…

Uma gota de sabedoria

Olá!
Hoje estou em estado de derrame da veia da escrita, como costumo dizer. Apetece-me escrever. Todos deveríamos ter algumas atividades que sejam verdadeiramente libertadoras. Como tenho muita energia, muitos sentimentos, muitas gotas na minha alma e os meus pensamentos nunca param, tenho que encontrar estratégias para acalmar, pacificar, colocar a cabeça em ordem, em paz. Claro que isto só tem sido possível com a maturidade, com a idade. O tempo e a idade são coisas maravilhosas embora, às vezes, não sejam encaradas como tal.
A idade dá-nos uma capacidade muito maior de lidar com as coisas difíceis e de apreciar e valorizar as coisas simples e fáceis. Coloca tudo em perspetiva. A experiência, as vivências, dão-nos uma das virtudes que mais aprecio: a sabedoria. A sabedoria contém verdade, justiça e muito amor. A sabedoria é paciente, pacificadora e é fermento de bondade. Quanto mais se usa, melhor se sabe usar. A sabedoria implica que se lidem as situações de acordo connosco próprios…

As primeiras 2 gotas da alma

Hoje vou falar de preciosidades. De tesouros sem possibilidade de se atribuir qualquer valor, preço ou medida. Vou falar da mais bonita forma de amor: a amizade profunda. Aquela que raia o impensável, o infinito, o incondicional. Vou falar de uma das melhores partes da minha vida. Daquela que tem feito um mundo de diferença no meu caminho, na minha evolução enquanto ser humano. Sou tão melhor pessoa graças a 2 amigas que Deus me deu!!! Acredito que os amigos verdadeiros são a família que nós temos a oportunidade de escolher! E, mais maravilhoso ainda, que nos escolhem também. Por aquilo que nós somos, mas, de uma forma ainda mais valiosa, apesar daquilo que nós somos. 
Eu sou uma pessoa tão abençoada!!! Nos meus 40 e tal anos de vida, já vivi a fase de ter muitos amigos, os de infância, os da família, os de casa, os de sair, os de outras coisas e ainda os mais ou menos conhecidos, dependendo dos contextos. Como a vida sempre tem planos para nós, para nos tornarmos melhores seres humano…

O Início

Olá!
Este será o início de uma aventura sobre a qual não faço a mínima ideia de como decorrerá...vou partilhar consigo, aquilo que a minha alma entender. Aquilo que o meu coração quiser. A escrita é uma necessidade recente. Impetuosa, mais forte do que eu própria, do que a minha vontade, do que o meu próprio pensamento. 
Será sempre uma partilha de afetos, de sentimentos, de mensagens, de pensamentos, numa caminhada evolutiva, pessoal, espiritual que procurará o Amor, a Luz e a Paz enquanto conceitos e valores universais.
Como sou feliz a escrever e a permitir que as gotinhas da minha alma possam dar alegria a outros. Falarei consigo da mesma forma e com o mesmo cuidado que falo com os meus filhos, com os melhores amigos ou com o meu amor. Também fará parte da minha vida e partilha comigo uns momentos de leitura, de emoção, de sorrisos ou lágrimas que merecem todo o meu respeito e admiração.

Obrigada por me acompanhar nesta aventura. Foi inesperada, não sei por onde vou, nem o que vou enc…